• Dr. Jorge Lyra

Dezembro Laranja: entenda por que a campanha foi criada!

A sociedade brasileira de dermatologia criou a campanha dezembro laranja com o objetivo de prevenir o câncer de pele, um tumor com alta taxa de incidência no nosso país. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), entre 2018 e 2019 surgiram cerca de 165.580 novos casos de câncer de pele no Brasil.


Fatores de risco do câncer de pele


As pessoas que possuem a pele clara, pintas e manchas, idosos que se expõem muito ao sol, quem tem histórico de câncer de pele na família e principalmente se o parentesco for de primeiro grau, essas pessoas são as mais propensas a desenvolver o câncer de pele.

Quais os tipos de câncer de pele?

Os tipos de câncer de pele podem ser divididos em não melanoma e melanoma, os mais frequentes são os não melanoma, podendo ser carcinoma basocelular e o carcinoma espinocelular, são menos agressivos, porém podem causar lesão estética e funcional.

O mais frequente na população brasileira, é o carcinoma basocelular, que geralmente apresentam áreas com proeminência, bordas mais elevadas, cores avermelhadas, e pequenos vasos sanguíneos.

O segundo mais frequente é o carcinoma espinocelular, porém ele é mais frequente e agressivo que o basocelular, suas principais características são sinais com aparência rígida e uma lesão como se fosse uma ferida que não cicatriza.


As regiões do corpo mais comuns para o aparecimento do câncer de pele são as que mais ficam expostas ao sol, como o rosto, cabeça, nariz, pescoço, costas das mãos e lábios.

O câncer de pele melanoma, de acordo com o INCA (Instituto Nacional do Câncer), é o mais raro e possui estimativa de novos casos no Brasil de 8.450, sendo 4.200 homens e 4.250 mulheres.


Suas principais características são pintas ou sinais em tons castanhos e que com o tempo altera de tamanho e cor, e às vezes podem até sangrar. Ele é considerado a forma mais grave da doença devido a grande chance de se espalha para outras partes do corpo.

Como se prevenir?

É preciso evitar exposição em excesso à radiação solar, pelos raios UVB que podem provocar queimaduras na pele e raios UVA que são responsáveis pelo envelhecimento, esses raios são frequentes principalmente entre 10h e 16h.

A radiação UVA, é a que penetra profundamente na pele e é uma grande responsável pelo câncer de pele, ela varia um pouco durante o dia, e é intensa não apenas em dias de sol, mas também em um céu nublado, por esse motivo é crucial utilizar o protetor solar todos os dias.


O bronzeamento artificial também oferece alto risco de desenvolvimento de câncer de pele, mais do que a exposição aos raios solares. Elas emitem altos níveis de UVA, e por esse motivo, desde 2009 quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que elas eram consideradas cancerígenas, as câmaras de bronzeamento foram proibidas no Brasil.


Quem tem tatuagem deve ter mais cuidado ainda, pois a tinta escura pode camuflar pintas que podem vir a ser futuras lesões com chances de virar câncer e até dificultar a análise da estrutura celular durante exames patológicos.


Outras medidas são uso de boné, chapéu, calças e blusas compridas durante a exposição ao sol.


É importante lembrar que mesmo com a utilização de todas essas formas de prevenção é necessário consultar um dermatologista ou cirurgião na suspeita do câncer de pele.


Por isso, fique sempre atento!





Dr. Jorge Lyra

Cirurgião Geral e Oncológico

CRM/MA 7021

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo